Terapia de preservação de alvéolo com matriz dérmica acelular e aloenxerto ósseo mineralizado após extração dental em humanos: um estudo clínico e histomorfométrico


O objetivo desse estudo foi analisar, através de parâmetros clínicos e histomorfométricos, o uso de matriz dérmica acelular (MDA) com ou sem aloenxerto ósseo mineralizado (AM) em formação óssea em alvéolo humano após um período de cicatrização de 6 a 8 meses. Um total de 19 pacientes com necessidade de extração de dentes anteriores superiores foi selecionado e aleatoriamente atribuído para o teste de grupo (MDA mais AB) ou grupo de controle (MDA apenas). Medições clínicas e histomorfométricas e análise histológica foram registradas em 6 a 8 meses após os procedimentos de preservação de rebordo. Parâmetros clínicos e quantidade de tecido mineralizado e não mineralizado foram medidos e analisados. Nos parâmetros clínicos, o grupo de teste mostrou perda óssea reduzia na dimensão vestíbulo-palatina após 6 a 8 meses (análise intergrupo P < 0,01). Descobertas histológicas mostraram maiores porcentagens de tecido mineralizado e menores porcentagens de tecido não mineralizado no grupo de teste quando comparado com o grupo de controle (P < 0,05). Nesse estudo clínico e histomorfométrico controlado randomizado em humanos, a matriz dérmica acelular em associação com aloenxerto ósseo mineralizado reduziu a perda óssea alveolar no maxilar anterior em comprimento e largura após um período de acompanhamento de 6 a 8 meses.