Regeneração da Tábua Vestibular Alveolar Extraída em Humanos com Fator de Crescimento Derivado de Plaquetas Recombinante Humano BB ou Derivado da Matriz do Esmalte


O objetivo deste estudo foi avaliar a cicatrização óssea de defeitos na tábua vestibular de alvéolos de extração. Havia quatro coortes: grupo A (substituto ósseo do colágeno mineral [SOCM] isolado), grupo B (SOCM com fator de crescimento derivado de plaquetas recombinante humano BB [rhPDGF-BB; 0,3 mg/mL]), grupo C (SOCM derivado de matriz do esmalte [DME]) e grupo D (combinação de DME com cerâmica óssea). A variável primária da qualidade óssea foi avaliada usando microscopia óptica, microscopia eletrônica de varredura de retrodispersão e histomorfometria. A cirurgia de reentrada proporcionou uma oportunidade para a observação clínica da morfologia do rebordo cicatrizado. Dezesseis pacientes com defeitos na parede vestibular do alvéolo de extração foram randomizados em quatro grupos de tratamento de tamanho igual. O enxerto foi realizado no momento da extração com o avanço do retalho vestibular para o fechamento primário. Uma biópsia de núcleo de trefina do preparo da área do implante foi realizada após 5 meses da colocação do mesmo. O exame histológico identificou a nova cicatrização óssea em torno dos arcabouços de biomateriais. Não foram observadas diferenças estatisticamente significativas na nova formação óssea entre os grupos de tratamento. Houve uma tendência histomorfométrica em direção ao novo osso para o grupo tratado com rhPDGF-BB (grupo B). Este grupo apresentou a morfologia do rebordo mais favorável para a instalação ideal do implante.