Implantes Híbridos em Pacientes Saudáveis e Periodontalmente Comprometidos: Um Estudo Clínico e Radiográfico Preliminar


Este estudo clínico e radiográfico preliminar examinou a sobrevivência, a perda óssea marginal (POM) e a influência da altura do pilar protético (AP) na POM em torno de implantes híbridos instalados em dois grupos de pacientes parcialmente edêntulos: pacientes saudáveis (PS) e periodontalmente comprometidos (PPC). Um total de 93 pacientes que necessitavam de restaurações unitárias ou múltiplas com implantes, na mandíbula ou maxila, foi tratado enquanto estavam sendo submetidos a uma restauração protética cimentada.

Um total de 54 implantes (35 na maxila e 19 na mandíbula) foi instalado em 45 PS e 56 implantes (31 na maxila e 25 na mandíbula) em 48 PPC. Todos os 110 implantes híbridos posicionados em osso original proporcionaram uma taxa de sobrevivência de 100% em ambos os PS e PPC. Não foram registradas diferenças estatísticas comparando os valores de POM na maxila com os da mandíbula. Nos PS e PPC, uma quantidade similar e limitada de POM foi registrada e verificou-se que quanto maior a AP, menor a POM. Em conclusão, os resultados indicam que os implantes híbridos examinados poderiam reduzir o risco de peri-implantites devido às suas superfícies coronais usinadas e melhorar a osseointegração devido à rugosidade das suas superfícies apicais.