Impacto das Modificações na Superfície do Implante Dentário na Adesão e Proliferação de Queratinócitos Gengivais Primários e Células Progenitoras


O sucesso dos implantes dentários depende, principalmente, da osseointegração e do selamento gengival. Portanto, a aderência inicial e proliferação de células epiteliais podem ser críticas para um resultado positivo. A pesquisa em materiais de implantes dentários se concentrou, principalmente, na rugosidade da superfície, definida pelo índice de rugosidade média (Ra), pois promove o processo de osseointegração. Este estudo explorou sua influência na inserção dos tecidos moles, visando principalmente a adesão, proliferação e crescimento de células primárias humanas pertencentes à linhagem epitelial. Os queratinócitos gengivais humanos caracterizados e as células progenitoras gengivais e epiteliais foram semeadas em implantes usinados (S1; Ra = 0,3 a 0,6 μm), Ti-Unite (S2; Ra = 1,2 μm) e SLA (S3; Ra = 2 μm). A adesão celular com proliferação e crescimento inicial foi avaliada através da combinação de um teste de vitalidade bioquímica com análises de imagem. Os resultados mostraram que a adesão foi significativamente maior em S1 (36% ± 2%) e S2 (44% ± 7%) do que em S3 (23% ± 6%), enquanto a proliferação foi ligeiramente melhor em S1. Esses dados, obtidos através de um método in vitro inovador e facilmente reprodutível, sugerem que a rugosidade da superfície do implante afeta a adesão e a proliferação das células epiteliais. Int J Periodontics Restorative Dent 2018;38:127–135. doi: 10.11607/prd.3304.