Efetividade de Duas Diferentes Técnicas de Liberação do Retalho Lingual para Aumento Vertical Ósseo na Mandíbula Posterior: Um Estudo Comparativo de Boca Dividida em Cadáveres


O aumento vertical da crista óssea na mandíbula posterior é um procedimento
sensível à técnica que requer conhecimento anatômico adequado e habilidades
cirúrgicas precisas para minimizar o risco de complicações. Um dos aspectos
mais importantes, mas também desafiadores, da técnica cirúrgica é o manejo
adequado do retalho para permitir o seu fechamento passivo e reduzir as
chances de complicações pós-operatórias que afetam os espaços anatômicos
profundos. Este artigo apresenta uma descrição detalhada de uma nova técnica de
liberação do retalho lingual e sua validação por meio de um estudo comparativo,
usando um modelo de cadáver. Um total de 12 cabeças de cadáveres frescos
apresentando edentulismo mandibular posterior bilateral foi selecionado. Os
lados foram randomizados para receber uma técnica clássica de liberação do
retalho lingual (controle) ou a técnica modificada aqui apresentada, que envolve
a preservação intencional da inserção do músculo milo-hióideo à mandíbula. A
liberação vertical do retalho foi medida em três zonas diferentes usando força
padrão. A diferença média entre o grupo teste e controle nas zonas I (área
do trígono retromolar), II (área intermediária) e III (área de pré-molar) foi de
8,273 ± 1,794 mm (erro padrão médio [EPM] = 0,5409 mm), 10,09 ± 2.948 mm
(EPM= 0.8889 mm) e 10.273 ± 2.936 mm (EPM= 0.8851 mm), respectivamente,
alcançando significância estatística muito forte (P < 0,0001) em todas as três
zonas.