Efeito da Cor de Pinos Intrarradiculares na Cor da Gengiva Vestibular: Uma Avaliação Espectrofotométrica Clínica


O objetivo principal deste estudo foi testar se pinos intrarradiculares de cores diferentes induzem diferentes quantidades de alteração de cor da gengiva vestibular. Vinte e três pacientes que necessitam de uma reconstrução de pino e núcleo em um incisivo, canino ou pré-molar tratado endodonticamente foram incluídos. Pinos de titânio (Ti), zircônia (Zi) e fibra de vidro (Gf) foram inseridos consecutivamente em cada dente de teste. A medição espectrofotométrica de cor da gengiva vestibular foi realizada antes do preparo do leito do pino e após a instalação dos pinos de Ti, Zi e de Gf. Para fins de controle, a cor gengival no dente vital contralateral foi avaliada. As diferenças de componentes de cor ∆L, ∆a e ∆b e a diferença de cor total (∆E) entre diferentes condições experimentais foram obtidas. O valor de ∆E de 3,7 foi considerado o valor de limiar para a distinção de cor intraoral. A espessura gengival nos dentes de teste foi medida. Não houve diferença em relação à quantidade de descoloração gengival induzida por diferentes pinos. Na maioria dos casos, os pinos não exibiram uma influência visível sobre a cor da gengiva vestibular. A gengiva nos dentes tratados endodonticamente apresentou uma descoloração visível em comparação com a gengiva nos dentes vitais. O grau de descoloração gengival nos dentes tratados endodonticamente foi correlacionado com a espessura gengival, com descolorações mais acentuadas nos casos de tecido mole mais fino.