Colocação de Implantes em Alvéolo Pós-extração sem Retalho, Parte 2: Efeitos do Enxerto Ósseo e da Restauração Provisória na Altura e Espessura do Tecido Mole Peri-implantar— Um Estudo Retrospectivo


Este artigo apresenta os resultados da avaliação das mudanças nas dimensões dos tecidos moles peri-implantares associadas à instalação imediata de implantes em alvéolos pós-extração anteriores para quatro grupos de tratamento: sem EORP (sem enxerto ósseo, sem restauração provisória), RP (sem enxerto ósseo, restauração provisória), EO (enxerto ósseo, sem restauração provisória) e EORP (enxerto ósseo, restauração provisória). A distância vertical dos tecidos moles periimplantares foi maior para os sítios enxertados do que para os não enxertados (2,72 mm vs 2,29 mm, P < 0,06). A espessura vestibular do tecido mole no terço gengival foi maior para o sítio enxertado do que para os não enxertados (2,90 mm vs 2,28 mm, P < 0,008) e para os sítios com restaurações provisórias comparados com os locais sem as mesmas (2,81 mm vs 2,37 mm, P < 0,06), respectivamente. O ganho real de tecido mole em altura e  espessura foi de cerca de 1 mm. Os aumentos nas dimensões vertical e horizontal para os sítios enxertados foram entre 0,5 e 1,0 mm quando comparados com os sítios sem enxerto ósseo e sem restauração provisória.