Abordagem Regenerativa para o Tratamento Bem-sucedido de Peri-Implantite: Uma Série Consecutiva de 170 Implantes em 100 Pacientes com Acompanhamento de 2 a 10 Anos


Este artigo apresenta os resultados de uma série de casos consecutivos de 170 implantes afetados por peri-implantite tratados em 100 pacientes, acompanhados por um período entre 2 e 10 anos. Um total de 51 implantes em 38 pacientes relatados anteriormente foi acompanhado por mais 2,5 anos, e 119 implantes adicionais em 62 pacientes também foram tratados com o mesmo protocolo e monitorados por pelo menos 2 anos de pós-operatório. O tratamento consistiu em levantamento do retalho, descontaminação da superfície, uso de derivados da matriz de esmalte (DME) ou fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF), e regeneração óssea guiada com osso liofilizado mineralizado e/ou osso bovino inorgânico combinado com PDGF ou PDME e recoberto com uma membrana absorvível e/ou enxerto de tecido conjuntivo subepitelial. A manutenção e o monitoramento foram realizados a cada 2 a 3 meses. Dois implantes foram perdidos com 6 meses de pós-operatório com uma taxa de sobrevivência de 98,8%. O sangramento à sondagem foi eliminado em 91% dos implantes tratados. A redução da profundidade de sondagem foi em média de 5,10mm, o ganho em nível ósseo foi de 1,77 mm e o ganho de tecido mole marginal foi de 0,52 mm. Estes resultados foram obtidos após um procedimento cirúrgico em 140 implantes, após dois procedimentos em 18 implantes, e após três procedimentos em 10 implantes. Os resultados até o momento com essa abordagem combinada para o tratamento de peri-implantite parecem ser promissores.