O Conceito Conimétrico: Um Acompanhamento de 5 Anos de Restaurações Fixas Parciais de Zircônia Monolítica Parcial Suportadas por Pilares Cone Morse


O uso da conexão tipo cone morse para suportar restaurações definitivas foi previamente avaliado em casos envolvendo próteses totais de resina acrílica ou híbridas de resina composta-acrílico. O objetivo deste estudo foi avaliar o desempenho de próteses parciais fixas definitivas feitas com zircônia monolítica e apoiadas por pilares tipo cone morse e implantes integrados. Os implantes foram colocados em sítios cicatrizados e alvéolos frescos pós-extração. As próteses foram colocadas nas regiões posteriores de pacientes parcialmente desdentados após 3 meses de cicatrização. Um total de 76 pacientes recebeu restaurações fixas de zircônia monolítica ferulizadas com conexões cone Morse para dois implantes que foram acompanhados anualmente durante 5 anos. Em cada consulta de acompanhamento, foram registrados os níveis ósseos peri-implantares e as profundidades das bolsas. Parâmetros estéticos, funcionais e biológicos dos Serviços de Saúde Pública dos Estados Unidos modificados pelo desenho do estudo da World Dental Federation foram avaliados nas últimas consultas de acompanhamento. A dentição antagonista foi categorizada por tipo de restauração e estrutura de suporte no momento da colocação da restauração parcial de zircônia definitiva e no acompanhamento de cinco anos. O tratamento alcançou uma taxa de sucesso de 88,2% e uma taxa de sobrevivência de 97,4% no acompanhamento de 5 anos. Nenhuma das próteses afrouxou ou soltou Uma prótese fixa (0,76%) fraturou 41 meses após a colocação. Não foram encontradas diferenças significativas envolvendo o osso peri-implantar e os níveis de sondagem entre os tempos experimentais. Os resultados desta pesquisa indicaram que as conexões tipo cone morse foram bem sucedidas em relação ao item pilar-prótese dentro do período de estudo de 5 anos.