Uma Revisão Sobre Agentes Farmacêuticos e Saúde Óssea Oral: Como a Osteonecrose dos Maxilares tem Afetado o Campo de Estudo


Há apenas uma década a perspectiva parecia ilimitada para o uso de bifosfonatos no tratamento de um grande número de doenças metabólicas, variando da osteoporose ao câncer relacionado com alterações ósseas, bem como a perda óssea oral. Logo em seguida, no entanto, a osteonecrose dos maxilares (ONM) surgiu como uma condição rara, porém significativa, associada ao tratamento com bifosfonatos. Embora permaneçam muitos questionamentos quanto à ONM, algum conhecimento significativo foi adquirido ao longo da última década. Ideias a respeito do estadiamento e tratamento desta condição surgiram, e um número de modelos pré-clínicos tem sido desenvolvido, os quais logo acelerarão o progresso em direção à compreensão de sua fisiopatologia. Pesquisadores também descobriram que a ONM não é específica para bifosfonatos, visto que outros agentes anti-remodelação foram recentemente associados a esta condição. Enquanto estes continuam sendo ferramentas essenciais na Medicina, a ONM diminuiu um pouco a dinâmica desta classe de medicamentos, especialmente no que se refere às aplicações emergentes. Até que formas de prevenção e tratamento mais efetivos sejam desenvolvidos, este efeito colateral da supressão da remodelação óssea continuará, bem ou mal, a ter impacto significativo na área. Uma opção de tratamento em potencial é o uso de agentes osteoanabólicos. Novos dados promissores surgiram para demonstrar a eficácia da teriparatida (hormônio paratireoidiano) na reversão de perdas ósseas na cavidade oral e inclusive como uma terapia potencial para a ONM.