Uma Análise Retrospectiva de Implantes Dentários Substituindo Implantes Falhos em Seios Maxilares com Enxerto: Série de Casos


Objetivo: Avaliar a taxa de sobrevida de implantes dentários, que substituíram que haviam sido perdidos em áreas de enxerto em seios maxilares usando a abordagem lateral vs maxilar posterior sem enxerto. Materiais e Métodos: A análise retrospectiva foi conduzida para avaliar a sobrevida de implantes dentários secundários instalados no maxilar posterior em sítios de implantes que anteriormente falharam entre 2000 e 2010. O grupo de estudo consistiu de pacientes que também haviam sido submetidos ao levantamento de seio, e o grupo controle consistiu de pacientes em que os implantes da maxila posterior falharam. Os dados clínicos e demográficos foram analisados utilizando um formulário estruturado. Resultados: Setenta e cinco pacientes com um total de 75 implantes substituídos foram incluídos no estudo. O grupo de estudo continha 40 pacientes e o grupo controle 35 pacientes. Nenhum dos implantes substituídos no grupo de estudo falhou, resultando em uma sobrevida global de 100%; três implantes substituídos no grupo controle falharam (sobrevida de 92%). A principal razão para a remoção do implante primário foi a falta de osseointegração (35 [87,5%] de 40 do grupo de estudo e 23 [65,7%] de 35 do grupo controle [P = 0,027]). A diferença entre os grupos em relação ao momento da falha do implante primário foi estatisticamente significativa. O grupo de estudo apresentou mais falhas precoces do implante primário que o grupo controle (77% vs 62%; P = 0,038). Conclusão: Os implantes dentários substituídos na maxila posterior tiveram uma alta taxa de sobrevida. A mais alta taxa de sobrevida foi encontrada em sítios do levantamento do seio maxilar. Dentro das limitações do presente estudo, pode-se concluir que a ocorrência prévia de falhas de implantes instalados em áreas de enxertos em seios maxilares não devem desencorajar os profissionais de uma segunda tentativa.