Titânio Ativa o Caminho do Resposta de Dano ao DNA em Células Epiteliais Orais: Um Estudo Piloto


Objetivo: Avaliar o efeito de partículas de titânio (Ti) na homeostasia de células epiteliais orais e o potencial
de implantes dentários de liberar restos de Ti durante a inserção. Materiais e Métodos: Implantes dentários
com diferentes tratamentos de superfície foram utilizados para determinar a possibilidade de liberação de
partículas durante a instalação do implante bem como o impacto de partículas livres de Ti nas células epiteliais
orais. Partículas de Ti derivadas das superfícies de implante foram isoladas e cultivadas em contato direto
com as células epiteliais orais normais por 48 horas. Além disso, as células foram fixadas e processadas
para um teste de imunofluorescência a fim de detectar a ativação da resposta de dano ao DNA (DDR) usando
marcadores celulares CHK2 e BRCA1. Células positivas demonstrando dano ao DNA foram quantificadas e
analisadas estatisticamente. Resultados: Partículas de Ti derivadas dos implantes contendo tratamentos de
superfície com óxido de titânio enriquecido com fosfato (PETO), modificada por fluoreto (FM) e jateada (GB)
foram capazes de ativar CHK2 e acionar o recrutamento de BRCA1 em células epiteliais orais. Além disso,
implantes com superfícies GB foram capazes de liberar partículas de Ti durante a instalação do implante.
Conclusão: Os resultados indicam que partículas de Ti podem se soltar da superfície do implante durante
a instalação. Além disso, partículas livres de Ti podem acionar a sinalização DDR em células epiteliais orais.
Estes achados sugerem que as partículas/restos de Ti liberadas em uma ferida cirúrgica podem contribuir
para o desequilíbrio da homeostasia epitelial e comprometer potencialmente a barreira epitelial oral.