Plasma de Argônio Aumenta a Ligação Celular e a Descontaminação Bacteriana em Diferentes Superfícies de Implantes


Este estudo in vitro testou os efeitos da descarga com barreira dielétrica de pressão atmosférica
em argônio (APDBD) em diferentes superfícies de implantes em relação a alterações físicas, descontaminação
bacteriana e adesão de osteoblastos. Materiais e Métodos: Setecentos e vinte discos com três topografias
de superfície diferentes – usinadas (MAC), pulverização com plasma de titânio (TPS) e jateada com zircônia
e condicionada com ácido (ZRT) – foram testados neste experimento. Os testes de adesão bacteriana foram
realizados repetidamente em um biofilme simplificado de Streptococcus mitis. As bactérias foram incubadas na
presença das amostras, que posteriormente foram deixadas sem tratamento como controles ou tratadas com
APDBD durante 30, 60 e 120 segundos. As amostras foram então metalizadas, antes da aquisição recorrente
de imagens usando um microscópio eletrônico de varredura (MEV). A adsorção de proteínas, a molhabilidade
da superfície e a resposta biológica precoce foram determinadas para as superfícies de implante tratadas
(120 segundos) e não tratadas. Para descrever o comportamento das células eucarióticas, foram utilizadas
células murinas pré-osteoblásticas. As células foram convenientemente coradas e os núcleos foram contados.
A viabilidade celular foi avaliada por um ensaio quimioluminescente em 1, 2 e 3 dias. Resultados: Em todas as
amostras tratadas, os valores das medidas do ângulo de contato foram inferiores a 10 graus. As amostras não
tratadas mostraram valores de ângulo de contato de 80, 100 e 110 graus, respectivamente, para MAC, TPS e ZRT.
A adsorção de proteínas em TPS e ZRT aumentou significativamente após o tratamento com plasma de argônio.
No entanto, nenhum efeito significativo foi observado nos discos MAC. O número e a área de espalhamento
celular de osteoblastos aderentes aumentaram significativamente em todas as superfícies tratadas. No entanto,
o tratamento com argônio não influenciou a proliferação e viabilidade dos osteoblastos em diferentes pontos
de tempo. A adesão das bactérias foi significativamente reduzida, mesmo após 60 segundos de tratamento
com argônio. Conclusão: Os dados preliminares mostraram que a descarga em barreira dielétrica de pressão
atmosférica desinfetou a superfície do implante, com potencial para promover a fixação e propagação de
osteoblastos, sugerindo que esta pode ser uma possível abordagem para limpar uma superfície de implante
contaminada com peri-implantite. Int J Oral Maxillofac Implants 2017;32:1315–1323. doi: 10.11607/jomi.5777.
Referência original: Int J Oral Maxillofac Implants 2017;32:1315–1323. doi: 10.11607/jomi.5777.