Parafusos Mini-Implantes Para Ancoragem Ósseo: Um Estudo Biomecânico In Vitro Comparando Três Diâmetros

Objetivo: Avaliar a resistência máxima e a abertura máxima suportada por parafusos mini-implantes de três diâmetros diferentes em um modelo de expansor rápido de maxila in vitro. Materiais e Métodos: Quinze aparelhos foram montados em blocos ósseos artificiais de poliuretano. Em cada aparelho, um expansor Hyrax ancorado por quatro conjuntos de parafusos mini-implantes de três diâmetros diferentes foi dividido em: grupo 1 (n = 5), parafusos de 1,8 mm de diâmetro; grupo 2 (n = 5), parafusos de 2,0 mm de diâmetro; e o grupo 3 (n = 5), parafusos de 2,2 mm de diâmetro. Todos os conjuntos (blocos ósseos + expansor + quatro mini-implantes) foram inseridos em um dispositivo personalizado e padronizado que simulava uma disjunção palatina. Os expansores foram ativados para testar mecanicamente a inserção do miniimplante nos dispositivos até que ocorressem quebras ou deflexão dos parafusos. O número de ativações, a resistência máxima suportada e os valores máximos de abertura do expansor até a falha foram registrados para cada grupo. Os dados foram submetidos a um teste t de Student com um nível de significância de 5%. Resultados: Não houve diferenças significativas entre os grupos quanto ao número de ativações até a força máxima suportada. O expansor atingiu valores de abertura onde as diferenças eram ligeiramente significativas apenas entre os grupos 1 e 2 (P = 0,048). Houve uma diferença significativa entre os grupos 1 e 3 com relação à carga máxima suportada (P = 0,039). Conclusão: Independentemente dos diâmetros dos parafusos mini-implantes, o dispositivo expansor utilizado neste modelo de sistema de ancoragem resistiu às forças e taxas de abertura além das que podem ser necessárias durante a expansão clínica rápida da maxila.