Osso Bovino Revestido de Colágeno em Defeitos Causados por Peri-Implantites: Um Estudo Piloto com Uma Nova Abordagem


Objetivo: Como os implantes dentários tornaram-se uma opção de rotina, os dentistas estão mais frequentemente em contato com o tratamento da peri-implantite. Até o momento, nenhum protocolo de tratamento mostrou-se o preferido para o tratamento da peri-implantite. O objetivo desta série de casos retrospectiva é apresentar uma nova abordagem utilizando osso bovino revestido de colágeno de porco (OBCP) para tratar peri-implantite. Materiais e Métodos: Onze pacientes, sem história de periodontite, apresentando peri-implantite em torno de um único implante dentário restaurado, foram incluídos neste estudo. Em exames iniciais e de acompanhamento foram registrados sangramento à sondagem (SS), profundidade de sondagem (PS) e localização da margem gengival (MG). Após debridamento cirúrgico do defeito peri-implantar e tratamento da superfície do implante com uma solução de gluconato de clorexidina a 0,12%, os defeitos ósseos foram enxertados com OBCP. Todos os pacientes tiveram 12 meses de acompanhamento. Resultados: No exame, a PS média no sítio mais profundo (SP) foi de 7,6 ± 1,9 mm. No momento da cirurgia, excesso de cimento foi encontrado em volta de nove implantes (81%). Todos os pacientes não sofreram intercorrências nem complicações pós-operatórias. Aos 6 e 12 meses, todos os implantes apresentaram resultados favoráveis com redução média da PS do SP de 3,9 ± 1,5 mm e 4,1 ± 1,6 mm, respectivamente. Todos os implantes apresentaram sinais radiográficos de preenchimento de osso, enquanto a MG não demonstrou alterações de mensurações pré-operatórias em 6 (0,1 ± 0,5 mm) ou 12 (0,0 ± 0,6 mm) meses. Conclusão: O uso de enxerto de osso bovino revestido de colágeno de porco para tratar peri-implantite representa uma modalidade terapêutica potencialmente previsível. Ensaios clínicos randomizados são necessários para reforçar os resultados do tratamento.