O Possível Papel dos Implantes Dentários na Etiologia e no Prognóstico da Osteomielite: Estudo Retrospectivo


Objetivo: O objetivo deste estudo foi descrever o resultado clínico de osteomielite da mandíbula ou maxila após implantes dentários. Também é proposto um protocolo de tratamento detalhado. Materiais e Métodos: Foram analisados dados eletrônicos de todos os pacientes atendidos entre outubro de 2009 e novembro de 2014, em três departamentos cirúrgicos maxilofaciais. Bases de dados digitais foram pesquisadas para o diagnóstico de osteomielite da mandíbula ou maxila (ICD9 código 526.2) e arquivos médicos foram analisados. O resultado do tratamento foi considerado bem-sucedido se apenas o tratamento primário (desbridamento e antibioticoterapia) tiver sido aplicado. A análise estatística foi realizada para comparar os resultados do tratamento nos diferentes grupos etiológicos. Resultados: O estudo incluiu 29 homens e 25 mulheres, com osteomielite histológica e clinicamente comprovada. A média de idade foi de 59 anos (variação, 24 a 70 anos). Quarenta pacientes apresentaram remissão completa, versus 14 pacientes que falharam no tratamento primário e necessitaram de intervenção cirúrgica mais agressiva (11 mandibulectomias segmentares, 2 mandibulectomias marginais e 1 maxilectomia). A maioria das falhas foi no grupo de implantação dentária. Um implante dentário anterior foi um fator independente para falha do tratamento primário e a necessidade de intervenção cirúrgica agressiva (P = 0,0001). Conclusão: Os resultados deste estudo retrospectivo sugerem que um implante dentário anterior é um fator preditivo independente de falha no tratamento primário na osteomielite da mandíbula ou maxila. Além disso, a osteomielite induzida por implantes dentários é uma patologia rara, mas apresenta um subtipo agressivo de osteomielite e requer uma abordagem mais ampla e abrangente.