Levantamento do Assoalho do Seio pela Crista Usando Pressão Hidráulica e Vibrações: Um Estudo de Coorte Retrospectivo Único


Objetivos: Avaliar a perfuração da membrana sinusal e a taxa de sobrevivência do implante após o levantamento do seio minimamente invasivo usando pressão hidráulica e vibrações. Materiais e métodos: Neste estudo retrospectivo de coorte única, foram incluídos todos os pacientes que sofreram levantamento minimamente invasivo do seio entre 2007 e 2015 utilizando pressão hidráulica e vibrações. A membrana sinusal é elevada por soro fisiológico a 1,5 bar. O fluido é então colocado em vibração para separar ainda mais a membrana sinusal do assoalho ósseo. Os pontos finais foram a perfuração da membrana sinusal e a taxa de sobrevivência dos implantes. Resultados: A técnica de pressão e vibração hidráulica foi aplicada em 156 pacientes. Sete pacientes com perfurações da membrana sinusal foram tratados com a abordagem da janela lateral e excluídos da análise de acompanhamento. Nos 149 pacientes restantes, foram realizados 184 levantamentos do assoalho do seio pela crista e foram colocados 184 implantes. Em 10 desses 184 casos, suspeitou-se de uma perfuração na tomografia computadorizada (TC) pós-operatória. No total, a taxa de perfuração foi de 8,9% (17/191). Dezenove implantes foram perdidos durante o período de acompanhamento, variando de 0,2 a 8,4 anos, com mediana de 2,3 anos. As taxas de sobrevivência cumulativa do implante após 1, 3 e 5 anos foram de 94,4%, 87,7% e 87,7%, respectivamente. Não foram observadas complicações perioperatórias graves. Conclusão: A técnica de pressão e vibração hidráulica permite um levantamento do seio crestal minimamente invasivo com taxa de perfuração inferior a 10% e taxas de sobrevivência do implante de aproximadamente 90%.