Implantes Dentários na População Idosa: Um Acompanhamento a Longo Prazo


Objetivos: Os objetivos deste estudo foram avaliar a sobrevivência e o sucesso do implante na população idosa e avaliar os indicadores e fatores de risco para o sucesso ou a falha de implantes dentários em idosos (60 anos ou mais). Materiais e Métodos: Este estudo prospectivo histórico foi desenvolvido a partir de uma coorte de pacientes nascidos antes de 1950 que receberam implantes dentários em um único consultório odontológico particular. A sobrevivência do implante e os níveis ósseos marginais foram registrados e analisados em relação a diferentes fatores relacionados ao paciente e ao implante. Resultados: O estudo examinou 245 prontuários de pacientes e 1.256 implantes de uma clínica dentária. A idade média no momento da colocação do implante foi de 62,18 ± 8,6 anos. O tabagismo foi relatado por 9,4% da coorte estudada. A taxa de sobrevivência global dos implantes foi de 92,9%; 7,1% dos implantes falharam. A perda óssea marginal mostrada pelas roscas expostas foi evidente em 23,3% dos implantes. Apresentar-se com doença periodontal generalizada e/ou doença periodontal severa influenciou negativamente a probabilidade de sobrevivência do implante. Os implantes colocados em áreas onde o aumento ósseo foi realizado antes ou durante a cirurgia não apresentaram a mesma longevidade em comparação com aqueles que não tiveram aumento antes da implantação. Conclusão: Os achados gerais concluíram que os implantes podem ser colocados com sucesso em adultos mais velhos. Uma variedade de fatores está envolvida no sucesso a longo prazo do implante e uma consideração especial deve ser tomada antes de colocar implantes em adultos mais velhos a fim de limitar a influência desses fatores de risco.