Associação Entre Morfologia Óssea Peri-Implantar e Perda Óssea Marginal: Estudo Retrospectivo de Sobredentaduras Inferiores Suportadas por Implante


Objetivos: O presente estudo teve como objetivo explorar a associação entre perda óssea marginal e tipo de
defeito ósseo peri-implantar determinado usando um novo sistema de classificação de defeito ósseo peri-implantar.
Materiais e Métodos: Foram selecionados um total de 110 pacientes com sobredentaduras inferiores implanto
suportadas. Foram coletadas informações clínicas, incluindo gênero, idade, hábito de fumar e o sistema de
retenção de sobredentadura utilizado. Os tipos de defeito ósseo peri-implantar e as distâncias marginais (ou seja, a
distância entre o nível ósseo marginal e o topo da plataforma do implante) de todos os locais foram identificados em
radiografias panorâmicas por um único observador experiente. As associações entre distância marginal e tipo de
defeito ósseo peri-implantar, sexo, idade, hábito de fumar, sistema de retenção e tempo após a implantação foram
investigadas usando modelos lineares generalizados marginais e análise de regressão. Resultados: Um total de 83
participantes foram incluídos na amostra final com um total de 224 implantes envolvendo 3.112 sítios de implante.
O tempo médio de observação foi de 10,7 anos. Todos os tipos de defeitos ósseos peri-implantares, exceto o
tipo 5 (tipo fenda), foram significativamente relacionados à distância marginal em todos os modelos (P < 0,01). O
tabagismo e o tempo após a colocação do implante estavam significativamente relacionados à distância marginal,
enquanto o gênero, a idade e o sistema de retenção de sobredentadura utilizado não estavam. Conclusões: O tipo
de defeito ósseo peri-implantar, determinado usando o novo sistema de classificação, está associado à extensão da
perda óssea marginal