Influência do Índex Protético Sobre a Resistência à Fratura de Implantes Dentários Cone Morse

Os fabricantes inseriram um índex protético, um hexágono interno para guiar os componentes
protéticos dentro dos implantes cone Morse. No entanto, ainda não está claro se este mecanismo poderia
diminuir a resistência mecânica dos implantes cone Morse. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência
do índex protético dentro dos implantes cone Morse na resistência à fratura em comparação com implantes
não indexados. Materiais e Métodos: Cinquenta e sete implantes cônicos Morse, com angulação de 11,5
graus da porção cônica interna, foram divididos em três grupos: implantes sem o índex protético e pilar
sólido cone Morse universal (grupo 1), implantes com índex protético sólido cone Morse universal pós (grupo
2) e implantes e pilares com o índex protético (grupo 3). Todos os grupos foram modelados para análise de
tensão de elementos finitos (AEF), simulando aplicação de força de uma carga perpendicular aos pilares.
A resistência à fratura (n = 10) foi determinada na mesma condição. A carga dinâmica (n = 9) também foi
realizada. A análise estatística foi realizada utilizando a análise de variância de um critério (ANOVA), e o teste
de Tukey foi aplicado (α = 0,05). A análise metalográfica foi utilizada para identificar a distribuição da fratura
e a microestrutura da liga de titânio. Resultados: Não houve diferença estatística significativa entre os
valores de todos os grupos testados. De acordo com a AEF, a região do índex protético estava sem tensões.
As resistências à fratura média e o teste de carga foram 353,7 N e 200 N para o grupo 1, 397,3 N e 170
N para o grupo 2 e 372,0 N e 160 N para o grupo 3, respectivamente. A análise metalográfica mostrou um
padrão de falha macroscópica tal como demonstrado pela AEF. Conclusão: A presença do índex protético
sobre os implantes cone Morse não diminuiu sua resistência à fratura para os implantes testados. Int J Oral
Maxillofac Implants 2017;32:1333–1337. doi: 10.11607/jomi.4658