Influência das Superfícies de Implantes Microtexturizadas sobre a Peri-implantite e Seu Tratamento: Um Ensaio Pré-clínico

Objetivo: A prevalência de peri-implantite aumentou significativamente, forçando os clínicos a procurarem maneiras de
prevenir isso. As superfícies com microtextura a laser promovem a fixação de tecidos moles e proporcionam um selo
hermético em torno dos implantes. Assim, o objetivo deste estudo foi examinar os aspectos clínicos, radiográficos e
histológicos da peri-implantite induzida por ligadura, bem como o efeito do tratamento cirúrgico dessas lesões induzidas
por peri-implantite em implantes com microtextura a laser em um modelo animal controlado. Materiais e Métodos:
Seis mini-porcos (três machos/três fêmeas) receberam 6 implantes cada (3 implantes texturizados com jato reabsorvível
[TJR] e 3 implantes de microtextura laser [ML]) em sítios de pré-molares inferiores, para um total de 36 implantes. Dois
grupos foram identificados com base no ponto de tempo da análise da amostra. Após a obtenção da osseointegração,
as ligaduras metálicas foram colocadas e deixadas por 12 semanas. As amostras do grupo 1 foram então obtidas e as
amostras do grupo 2 receberam terapia de resgate após um protocolo de regeneração óssea guiada (ROG). A coleta
de amostras no grupo 2 foi completada 12 semanas depois que as amostras foram submersas e tratadas. Todas as
amostras foram analisadas histologicamente e as medidas foram realizadas. Resultados: Quatro implantes (três TJR,
um ML) foram perdidos em pontos de tempo precoce por causa da instabilidade do implante. As distâncias interimplante
e espessuras de tecidos moles variaram sutilmente entre os grupos. Mais notável foi a perda óssea média da crista (±
erro padrão da média) (grupo 1: 1,860 ± 1,618 mm [ML] e 2,440 ± 2,691 mm [TJR]; grupo 2: 2,04 ± 1,613 mm [ML] e
3,00 ± 2,196 mm [TJR]) (P < 0,05), conforme demonstrado por um teste t pareado. A profundidade de bolsa histológica
também foi maior nos sítios TJR do que nos sítios ML (4,448 ± 2,839 mm e 4,121 ± 2,251 mm, respectivamente, no grupo
1 e 3,537 ± 2,719 mm e 2,339 ± 1,852 mm, respectivamente [P < 0,005] no grupo 2). Conclusão: Os implantes de ML
tiveram menos perda de osso da crista e menor profundidade de bolsa histológica em comparação com suas contrapartes
TJR. Além disso, os implantes de ML tiveram maior regeneração ósseo quando uma terapia de resgate (ROG) foi realizada.