Estabilidade Óssea Marginal ao Redor de Implantes Cônicos, de Plataforma Modificada com Carga Imediata em Prótese Fixa Sobre Quatro Implantes: Um Estudo de Coorte

Objetivo: Avaliar de modo longitudinal a remodelação óssea marginal ao redor de implantes cônicos, de plataforma modificada, fixados para reabilitação de arco completo com próteses fixas híbridas. Materiais e Métodos: Um estudo de coorte retrospectivo foi projetado para avaliar dados radiográficos de pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos de implantes com um conceito protético fixo suportado por quatro implantes imediatamente carregados em um único cenário clínico durante um período de 36 meses. A primeira variável para avaliação neste estudo era avaliar a mudança do nível ósseo marginal no período de 12 a 36 meses de acompanhamento pós instalação da prótese definitiva. A avaliação e as medidas foram realizadas com radiografias periapicais calibradas obtidas: (1) no momento da instalação a prótese definitiva (padrão inicial) x (2) 12 a 36 meses de acompanhamento pós instalação da prótese. Outras variáveis do estudo, incluindo tempo de acompanhamento, posição do implante, máximo torque de inserção do implante, angulação e diâmetro do implante, foram avaliados por sua associação com alterações em níveis de osso marginal. Resultados: Cento e sessenta e nove pacientes (n = 856 implantes) com idade média de 59,5 ± 10,5 anos foram incluídos nesse estudo. Dois implantes falharam, resultando em uma taxa de sobrevida global de 99,8% (acompanhamento médio: 15,2 ± 4,8 meses, faixa: 12 a 36 meses). Os níveis ósseos médios radiográficos no início e no acompanhamento foram 1,16 ± 0,71 mm (n = 805) e 1,31 ± 0,93 mm (n = 805), respectivamente. A perda óssea marginal média do início ao acompanhamento foi de 0,14 ± 0,59 mm (n = 805). A duração do acompanhamento não teve efeito na extensão de perda óssea marginal (P = 0,154). Conclusão: Dentro das limitações desse estudo de coorte retrospectivo de larga escala, foi concluído que o uso de implantes cônicos, de plataforma modificada, para reabilitação de arco completo com o uso do protocolo Allon-4 fornece resultados radiográficos bastante favoráveis, ao menos após um mínimo de 12 meses em função.