Efeito do Fator de Crescimento Nervoso Sobre a Osseointegração de Implantes de Titânio em Ratos com Diabetes Tipo 2


Objetivo: Em comparação com a população em geral, ocorre uma pior qualidade de osseointegração ósteoimplantar e maior taxa de falha em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. O objetivo deste estudo foi analisar os efeitos da injeção local de fator de crescimento nervoso na interface entre osso e implante após a inserção de implantes em ratos diabéticos tipo 2. Materiais e Métodos: Utilizaram-se ratos Goto-Kakizaki (GK) (n = 30) como modelos de diabetes mellitus tipo 2 e ratos Wistar como controle (n = 15). Os ratos GK foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos (n = 15 / grupo): grupo com diabetes mellitus (apenas soro fisiológico) e grupo com fator de crescimento nervoso (receberam tratamento com fator de crescimento nervoso). Um implante de titânio foi colocado na tíbia esquerda de cada rato. No pós-operatório imediato, os ratos do grupo do fator de crescimento nervoso receberam injeção de fator de crescimento nervoso (0,4 μg / dia) intramuscularmente em torno do implante, diariamente, durante 7 dias. Os ratos do grupo diabetes mellitus e os do grupo controle receberam soro fisiológico normal do mesmo modo. Os ratos foram sacrificados 2, 4 e 8 semanas após a cirurgia de colocação do implante. Resultados: A microscopia de varredura a laser convencional e confocal foi utilizada em secções não descalcificadas para investigar as alterações na marcação do fluorocromo e as características histológicas do osso adjacente aos implantes. O percentual de contato ósseo-implantar e de volume ósseo no grupo de diabetes mellitus foi significativamente menor que no grupos controle e fator de crescimento nervoso, sem diferenças estatisticamente significativas entre os grupos controle e fator de crescimento nervoso. A microscopia confocal de varredura a laser mostrou um aumento significativo no osso marcado ao redor do implante do grupo fator de crescimento nervoso as 4 semanas (p<0,01) e 8 semanas (p<0,05) em comparação com o grupo diabetes mellitus. Conclusão: Este estudo mostrou que a injeção local de fator de crescimento nervoso pode melhorar a osseointegração do implante ao osso em ratos diabéticos e pode ter importantes implicações clínicas.