Divisão da Crista Óssea Alveolar para Aumento Ósseo Horizontal: Revisão Sistemática

Purpose: Muitas técnicas têm sido propostas para superar as limitações apresentadas pela atrofia maxilar. O objetivo dessa revisão sistemática foi avaliar a previsibilidade, as mudanças dimensionais e os fatores associados ao sucesso da técnica de Divisão da Crista Alveolar (DCA). Materiais e métodos: Uma busca eletrônica e manual na literatura foi conduzida por dois revisores independentes em vários bancos de dados, incluindo Medline, Embase, Cochrane Central Register of Controlled Trials e Cochrane Oral Health Group Trials Register, por artigos escritos em inglês até fevereiro de 2014. Uma busca manual também foi realizada para garantir um processo de triagem minucioso. Baseado no modelo PICR (problema, intervenção, comparação, resultado), a questão principal desse estudo foi: podem os pacientes com deficiência horizontal de crista óssea serem tratados com a técnica DCA e terapia de implantes? Resultados: No total, 17 artigos preencheram os critérios de inclusão, e a subsequente meta-análise foi realizada. A taxa inter-examinadores Cohen Kappa de 0.82 foi alcançada. A taxa de sobrevivência dos implantes nos estudos incluídos foi de 97,0% (variação de 94,4% a 100%) com abordagem retalho de espessura total (RET), e 95,7% (variação de 86,6% a 100%) com abordagem retalho de espessura parcial (REP). A média ponderada (MP) de ganho ósseo horizontal foi calculada para os estudos incluídos usando RET para a técnica DCA. Quatro estudos que continham dados foram incluídos na meta-análise. A MP + desvio padrão de ganho em espessura óssea foi 3,19 ± 1.19 mm (rvariação de 2,00 a 4,03 mm). Para estudos usando REP para DCA, apenas 1 estudo forneceu média e desvio padrão de ganho ósseo em espessura (4,13 ± 3.13 mm); consequentemente a meta-análise não pode ser realizada. Fratura da tábua óssea vestibular representou a complicação pós-operatória mais frequente, seguida por reabsorção da crista óssea pós-operatória. Conclusão: Em situações selecionadas, a técnica DCA pode representar uma abordagem previsível como demonstrado por uma alta taxa de sobrevivência de implantes, ganho adequado em espessura óssea, e mínimas complicações trans e pós-operatórias. Mais pesquisas são necessárias para determinar a influência dos materiais de enxerto inseridos e do biótipo tecidual do retalho, bem como as características anatômicas finais do osso resultado do aumento. Int J Oral Maxillofac Implants – edição em português 2016;1:192-202.
Referência original: Int J Oral Maxillofac Implants 2015;30:596–606. doi: 10.11607/jomi.4051.