Desfechos Clínicos e Radiográficos a Longo Prazo de Abordagem Regenerativa para Tratamento de Peri-Implantite: Uma Revisão Sistemática e Meta-análise


Objetivo: O objetivo desta revisão sistemática foi avaliar os desfechos a longo prazo dos procedimentos regenerativos para o tratamento da peri-implantite. Materiais e Métodos: Foram realizadas buscas eletrônicas em cinco bancos de dados e buscas manuais em periódicos para identificar ensaios em humanos que haviam tratado mais de 10 lesões de peri-implantite usando uma abordagem regenerativa com um período de acompanhamento de pelo menos 36 meses. Para atender aos critérios de inclusão, os estudos tiveram que registrar pelo menos um dos seguintes parâmetros: preenchimento ósseo radiográfico (POR), redução da profundidade de sondagem (PS), ganho de nível de inserção clínica, redução no sangramento à sondagem e ganho no nível da mucosa. A média ponderada agrupada e o intervalo de confiança (IC) de 95% de cada variável foram estimados. Resultados: As pesquisas renderam 1.412 registros e após a avaliação de títulos, resumos e textos completos, foram incluídas 5 séries de casos e 1 ensaio controlado para síntese de dados quantitativos. A meta-análise dos estudos para a quantidade de POR revelou uma média ponderada de 2,41 mm (variação, 1,46 a 3,30 mm) com IC 95%. Para a redução da PS, a média ponderada foi de 3,06 mm (variação, 1,24 a 5,21 mm). Conclusão: Há evidências limitadas na literatura relatando resultados a longo prazo da abordagem regenerativa para o tratamento da peri-implantite. Dentro dos limites desta meta-análise, o tratamento regenerativo da peri-implantite resultou em um preenchimento médio de defeito radiográfico de 2,41 mm após um tempo mínimo de cicatrização de 36 meses. No entanto, este achado deve ser interpretado com cautela, uma vez que é difícil discernir entre material de enxerto e osso recém-formado.