Desajuste Vertical de Pilares Unitários Sobre Implantes Confeccionados de Diferentes Materiais Sob Carga Cíclica


Objetivo: Pouca informação está disponível na literatura sobre a precisão da adaptação marginal de pilares confeccionados de diferentes materiais. O objetivo deste estudo foi comparar o nível de desadaptação vertical em pilares confeccionados de diferentes materiais antes e depois da carga cíclica. Materiais e Métodos: Trinta implantes de hexágono externo, 3,75 mm de diâmetro e 13 mm de comprimento, foram incluídos em resina epóxi e divididos em três grupos de acordo com o tipo de pilar (n=10): (1) pilares usinados de titânio (Ti); (2) pilares pré-fabricados de liga de ouro (Au); e (3) pilares usinados de zircônia (Zr). Os pilares foram instalados em seus respectivos implantes com parafusos de liga de titânio no torque recomendado pelo fabricante. Uma carga cíclica (0,5 × 106 ciclos; 15 Hz) entre 11 e 211 N foi aplicada a um ângulo de 30 graus do longo eixo dos implantes. Desadaptações verticais implante-pilar (μm) foram mensuradas em quatro pontos predeterminados antes e depois da carga com um estereomicroscópio sob aumento de 60X. As médias do grupo foram comparadas usando uma análise de variância de três fatores de mensuração repetida (ANOVA) e teste de Tukey (α = 0,05). Resultados: Os resultados da ANOVA identificaram efeitos significativos do tipo de pilar (P < 0,001). No entanto, não houve efeitos significativos de carga (P = 0,978) ou superfícies mensuradas (P = 0,955). Quando os grupos de pilar foram comparados independente da carga cíclica e das superfícies mensuradas, o grupo Au mostrou o maior valor de desadaptação vertical (14,93 ± 0,78), seguido pelo grupo Ti (8,53 ± 0,44) e pelo grupo Zr (5,64 ± 0,73), com diferenças estatísticas significativas entre eles (P < 0,05). Conclusão: Os grupos de pilar mostraram diferenças estatísticas significativas na desadaptação vertical. Os pilares de Zr mostraram a maior precisão em termos de adaptação marginal e os pilares de Au mostraram a menor. A carga cíclica não mudou significativamente o nível da desadaptação vertical. Todos os grupos experimentais apresentaram valores aceitáveis de desadaptação marginal.