Comportamento de Fadiga de Pilares Cerâmicos Fabricados por CAD/CAM em Função do Desenho e do Processamento da Cerâmica

Objetivo: A zircônia tem sido amplamente utilizada, às vezes ao que tudo indica simplesmente copiando uma estrutura de metal em cerâmica. Estruturalmente, as cerâmicas são sensíveis tanto ao desenho como aos detalhes de processamento (fabricação). O objetivo deste trabalho foi avaliar quatro pilares fabricados com auxilio do CAD/CAM utilizando o protocolo de fadiga de implante da International Standards Organization (ISO) modificado para determinar o desempenho em função do processamento e do desenho. Materiais e Métodos: Dois pilares de zircônia pura e dois híbridos (Ti-based) (n = 12 cada) foram testados em ambiente úmido a 15 Hz a uma variedade de cargas até a falha. As distribuições de probabilidade de falha foram examinadas em cada carga e, quando foram idênticas, os dados de todas as cargas foram combinados para a análise de longevidade a partir de condições aceleradas até clínicas. Resultados: Dois modos de falha claramente diferentes foram encontrados para ambos os pilares de zircônia pura e pilares com base de Ti. Um destes para zircônia foi avaliado clinicamente na literatura, e um dos pilares com base de Ti foi relatado informalmente. A modificação do protocolo ISO neste estudo forçou falhas nos pilares; nenhum corpo de implante falhou. Os ciclos extrapolados para o fracasso de 10% a 70 N foram: zircônia pura, Atlantis 2 × 107 e Straumann 3 × 107; e Ti-base, Glidewell 1 × 106 e Nobel 1 × 1021. Sob condições aceleradas (200 N), os desempenhos diferiram significativamente: Straumann claramente superou Astra (teste t, P = 0,013) e o pilar Ti-base de Glidewell também superou Atlantis zircônia a 200 N (Nobel Biocare, teste t, P = 0,035). Conclusão: A modificação do protocolo da ISO neste estudo produziu falhas que foram vistas clinicamente. O fabricante é um fator importante; diferenças no desenho e na fabricação que influenciam o desempenho não podem ser discernidas clinicamente.