Comparação Biomecânica de Diferentes Inclinações de Implantes e Comprimentos de Cantilever no Conceito de Tratamento All-on-4 Através de Análise Tridimensional de Elementos Finitos


Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da inclinação do implante e do comprimento do cantilever na
distribuição da tensão no osso cortical mandibular, implante, pilar, estrutura protética e parafuso protético através
de análise tridimensional (3D) de elementos finitos (AEF). Materiais e Métodos: Quatro modelos diferentes de
elementos finitos (0-0, 17-17, 30-30, 45-30) foram projetados de acordo com o ângulo de inclinação (0, 17, 30
e 45 graus) do implante posterior e ângulo de pilares multiunit (0, 17 e 30 graus). As próteses fixas parafusadas
com diferentes comprimentos de cantilever de acordo com a inclinação do implante foram modeladas. Um
bolo alimentar foi usado para a aplicação de carga de 100 N. As tensões máximas principais (Pmax) e mínimas
principais (Pmin) foram calculadas para o osso cortical e os valores de tensão de von Mises foram calculados
para o implante, o pilar, a estrutura metálica e o parafuso protético. Resultados: Os valores de tensão mais
altos foram observados no implante anterior, osso circundante e componentes protéticos de configuração
0-0. Os valores de tensão Pmin em osso diminuíram gradualmente com a inclinação crescente de implantes
anteriores e posteriores. Os valores máximos de tensão Pmax foram detectados no grupo 0-0. Para o osso
cortical ao redor do implante posterior, o grupo 30-30 apresentou o menor valor de Pmax. A tensão máxima de
von Mises nos implantes foi encontrado no implante posterior do grupo 30-30. Os valores de tensão em pilares
diminuíram gradualmente com o aumento da angulação dos implantes posteriores. Para os parafusos protéticos,
os grupos 30-30 e 45-30 apresentaram valores de tensão mais baixos e para a estrutura metálica, o grupo
30-30 apresentou valores de tensão mais baixos. Conclusão: A comparação biomecânica através da AEF 3D
revelou que a diminuição do comprimento do cantilever, ao inclinar os implantes posteriores, resultou em redução
nos valores do tensão no osso peri-implantar, no pilar, no parafuso protético e na estrutura metálica. Os grupos
com implantes posteriores inclinados de 30 e 45 graus e comprimentos de cantilever mais curtos mostraram
melhores distribuições de tensão em comparação com os grupos inclinados retos e de 17 graus.