Avaliação da Resistência do Acrílico Prensado em Infraestrutura para Prótese Protocolo Confeccionada com Nova Técnica Laboratorial


Em todo o processo de evolução da Implantodontia, o conforto e a melhor adaptação do paciente são um dos pilares para as pesquisas e evolução de métodos. A prótese protocolo idealizada por Branemark se caracteriza por ter uma infraestrutura metálica fundida em monobloco revestida por resina acrílica e dentes artificiais. A infraestrutura deste protocolo tem a função de reforçar a prótese impedindo que ela frature durante a mastigação, mas, por outro lado, ocorre uma desadaptação da base da prótese e dos pilares, impedindo que o assentamento passivo ocorra totalmente. Essa falta de passividade ocorre devido a vários fatores técnicos que iniciam nos procedimentos de impressão, enceramento, fundição, acabamento e polimento durante sua confecção. O objetivo deste estudo foi modificar a técnica de confecção da infraestrutura para conseguir maior passividade da prótese realizando uma análise comparativa da resistência do acrílico à fratura quando utilizamos a infraestrutura convencional e a modificada. Para este estudo foram confeccionadas dez barras, sendo cinco com a técnica convencional fundida em cromo cobalto e unida aos implantes, e cinco com a nova técnica onde a barra fundida não é unida aos pilares. As barras foram confeccionadas em um modelo de alumínio de alta resistência mecânica que foi concebido a partir de duplicação de um modelo de mandíbula padrão Peter K. Thomas. Utilizaram-se cinco implantes da marca SIN instalados no modelo com paralelismo ideal. Após a coleta de dados e execução dos cálculos estatísticos, foi realizada a comparação entre as duas barras.