Avaliação Biomecânica de Próteses Parciais Fixas de Três Elementos com Misturas de Conexões Protéticas


Este estudo avaliou o comportamento biomecânico de próteses fixas de três elementos, variando-se as plataformas dos implantes, pelo método de elementos finitos. Quatro modelos virtuais foram modelados constituídos de um segmento de mandíbula tridimensional e uma prótese fixa de três elementos implantossuportada com diferentes conexões de plataforma, cone morse (CM) e hexágono externo (HE) na região entre segundo pré-molar e segundo molar: modelo 1 CMxCM; modelo 2 HExHE; modelo 3 CMxHE; e modelo 4 HExCM. Os modelos foram carregados simulando-se a força mastigatória fisiológica. Foram computados e analisados os valores de tensão de tração (σmax), compressão (σmin) e cisalhamento (τ) para o tecido ósseo e os valores de deformação máxima (εmax) e da tensão de von Mises (σvM) para as estruturas dos implantes, parafusos e pilares protéticos. As conexões HE apresentaram maiores picos de tensão frente às conexões CM no implante do segundo pré-molar e segundo molar. Os picos de tensões não apresentaram grandes diferenças para o tecido ósseo peri-implantar. A conexão protética exerce influência no comportamento biomecânico do sistema prótese e implante e a combinação das conexões protéticas deve ser evitada em uma mesma prótese fixa de três elementos devido ao maior risco biomecânico, especialmente para os componentes e parafusos protéticos.