Aumento Anterior de Maxila Utilizando Bloco Ósseo Palatal com Fibrina Rica em Plaquetas: Um Ensaio Controlado

Objetivo: Esse estudo foi conduzido para caracterizar clínica e radiograficamente o efeito da utilização de enxerto autógeno de fibrina rica em plaquetas (FRP) nos aumentos com blocos ósseos palatais. Materiais e Métodos: Pacientes que possuíam defeitos ósseos alveolares horizontais no rebordo anterior da maxila (≤ 4,5 mm) com ausência de um ou dois dentes receberam enxerto com blocos autógenos de osso palatal 4 meses antes da instalação do implante. A FRP foi utilizada para cobrir o bloco no grupo teste, enquanto somente o bloco foi utilizado no grupo controle. A espessura óssea foi mensurada com um compasso manual previamente ao procedimento (t0), logo após o procedimento (t1) e 4 meses depois (t2). Foram realizadas tomografias computadorizadas de feixe cônico (TCFC) em t0 e t2. Testes não paramétricos (Mann-Whitney, Friedman e Wilcoxon) foram usados para as comparações. O nível de significância foi P ≤ 0,05. Resultados: Nos 14 sítios (12 pacientes), somente um autoenxerto (do grupo controle) não se integrou com sucesso após 4 meses. Não foram observadas diferenças estatisticamente significantes entre os dados demográficos nos dois grupos. Houve um aumento estatisticamente significante na largura óssea vestíbulo-palatina em ambos os grupos com o tempo, tanto na medição com TCFC quanto com o compasso. O grupo teste mostrou uma reabsorção média do enxerto estatisticamente menor do que o grupo controle (teste, 0,8 ± 0,6 mm; controle, 1,6 ± 0,9 mm; P = 0,006). Conclusão: A reabsorção superficial de autoenxerto em bloco de osso palatal é significativamente reduzida com o uso de recobrimento com FRP.