Análise de Tensões por Elementos Finitos em Coroas Individualizadas e Ferulizadas sobre Implantes Curtos Submetidas a Cargas Axiais e Oblíquas em Região Posterior de Mandíbula


Objetivo: Avaliar as tensões geradas no osso cortical, através do método tridimensional dos elementos finitos, em modelos mandibulares com implantes curtos na região posterior de mandíbula. Materiais e Métodos: Foram instalados, em um modelo matemático de elementos finitos, três implantes nas regiões de 2º pré-molar a 2º molar, sobre os quais foram instaladas coroas metalocerâmicas parafusadas unitárias isoladas e ferulizadas, as quais foram submetidas a forças axiais e oblíquas a 45º com o longo eixo do implante. Estas forças foram aplicadas em apenas um único ponto na face oclusal e em vários pontos simulando uma oclusão normal. Resultados: Na aplicação de carga axial de 100N em apenas 1 ponto sobre a fossa central da face oclusal, a tensão máxima foi de 23.422 Mpa. Na aplicação de carga axial de 100N em pontos oclusais simulando oclusão normal, a tensão máxima foi de 16.788 Mpa. Na aplicação de força oblíqua a 45°de 100N em apenas 1 ponto sobre a fossa central da face oclusal, a tensão máxima foi de 71.12 Mpa. Na aplicação de carga oblíqua a 45° de 100N em pontos oclusais, a tensão máxima foi de 48.703 Mpa. Conclusão: Os resultados mostraram que as forças oblíquas geram mais tensões do que as forças axiais e que a forma de aplicação da força também mostrou ser um fator importante na transmissão de tensão ao osso suporte. As próteses parciais fixas com coroas protéticas ferulizadas distribuíram melhor as tensões no osso cortical; no entanto, a diferença na distribuição em relação às coroas unitárias foi pequena.