Alterações na Crista Óssea e no Tecido Mole ao Redor de Implantes com Pilares de Plataforma Modificada Posicionados Não Submersos à Posição Subcristal: Avaliação Clínica e Radiográfica de 2 Anos


Objetivo: Avaliar as alterações na crista alveolar ao redor dos implantes em pilares com plataforma modificada instalados 1 mm abaixo da crista óssea em um estudo clínico prospectivo. Materiais e Métodos: Quarenta pacientes sistemicamente saudáveis (idade média ± desvio padrão [DP], 55,2 ± 8,7 anos) com um ou mais dentes faltantes foram tratados consecutivamente com implantes cônicos, de superfície tratada, com plataforma modificada posicionados 1 mm abaixo da crista óssea, restaurados com pilares codificados. Um total de 58 foram instalados. As restaurações finais foram entregues 4 a 8 meses após instalação dos implantes. Radiografias periapicais digitais padronizadas usando posicionadores de filme personalizados foram obtidas no momento da instalação do implante, 12 e 24 meses após a instalação das próteses finais. Os níveis ósseos marginais peri-implantares foram mensurados nas superfícies mesial e distal de cada implante utilizando um software de imagem digital. Resultados: Todos os implantes osseointegraram e permaneceram clinicamente estáveis no retorno de 2 anos. A taxa de sobrevivência cumulativa foi de 100%. Da instalação dos implantes até os 2 anos de acompanhamento, a média da perda óssea foi de 0,32 ± 0,37 mm. Não foram observadas diferenças significativas relacionadas ao sexo, sítio de instalação e densidade óssea. As médias da posição marginal do tecido mole interproximal e médiovestibular foram 1,13 ± 0,5 mm e 1,15 ± 0,6 mm respectivamente da coroa à linha protética. Conclusão: Há informação clínica limitada referente à quantidade de perda óssea marginal ao redor de implantes com plataforma modificada de duas peças posicionados abaixo da crista óssea. Os resultados deste estudo sugerem que a plataforma modificada e a posição abaixo da crista óssea da interface implante-pilar podem ser eficazes na redução da perda óssea e preservação da estética ao redor dos implantes. Int J Oral Maxillofac Implants – edição em português 2016;1:290-298. Referência original: Int J Oral Maxillofac Implants 2015; 30:1369-1377. Doi: 10.11607/jomi.4017.