Alterações de Tecido Mole e Duro Após Instalação Imediata ou Restauração Imediata de Implantes Unitários na Zona Estética: Uma Revisão Sistemática e Meta-Análise

Objetivo: Esta revisão sistemática teve por propósito comparar protocolos imediatos com protocolos convencionais de implantes unitários no que se refere a alterações nos tecidos duro e mole na área estética. Materiais e Métodos: Pesquisas eletrônicas e manuais foram realizadas pelo PubMed, EMBASE, Cochrane e outros sistemas de dados para artigos de pesquisa publicados entre janeiro de 2001 e dezembro de 2014. Apenas ensaios controlados randomizados (ECR) relatando características de tecidos duros e/ou moles após um implante unitário foram incluídos. Com base no protocolo utilizado em cada estudo, os estudos incluídos foram categorizados em três grupos para avaliar as relações entre os fatores e índices estéticos relacionados. Foram consideradas variáveis como alterações do nível ósseo marginal (mesial, distal e média do nível ósseo), alterações peri-implantares do tecido mole (nível da papila, mucosa vestibular e profundidade de sondagem) e outros índices estéticos. Os dados foram analisados utilizando o RevMan versão 5.3, o Stata 12 e o software GRADEpro 3.6.1. Resultados: Um total de 13 ECR preencheu os critérios de inclusão. Quatro estudos examinaram a instalação imediata do implante, cinco estudos examinaram a restauração imediata do implante e quatro estudos examinaram carga imediata. Comparando as alterações do nível ósseo após restauração imediata e convencional, não foram encontradas diferenças significativas no nível ósseo mesial (diferença média padrão [DMP] = -0,04 mm, intervalo de confiança de 95% [IC]: -0,25 a 0,17 mm), distal (DMP = -0,15 mm; IC 95%: -0,38 a 0,09 mm) e as alterações médias no nível ósseo (DMP = 0,05 mm; IC 95%: -0,18 a 0,27 mm). A diferença na variação do nível ósseo marginal entre a carga imediata e convencional também não foi estatisticamente significativa (DMP = -0,05 mm; CI 95%: -0,15 a 0,06 mm para a mesial e DMP = -0,02 mm; IC 95%: – 0,09 a 0,05 mm para a distal). As alterações dos tecidos moles após restauração imediata e convencional não relataram diferenças significativas no nível papilar mesial (DMP = 0,18 mm, IC 95%: -0,00 a 0,37 mm), nível papilar distal (DMP = -0,12 mm, IC 95%: -0,34 a 0,09 mm) e mucosa vestibular (DMP = -0,22 mm; IC 95%: -1,29 a 0,85 mm). Conclusão: Dentro das limitações, pode-se concluir que os implantes unitários instalados, em restauração ou com carga imediata na zona estética resultam em alterações semelhantes de tecidos duros e moles em comparação com os protocolos convencionais.