Alterações de Espessura da Mucosa Adjacente a Implantes Utilizando Aloenxerto de Matriz Tecidual: Avaliação Clínica e Histológica


Objetivo: Avaliar clínica e histologicamente o espessamento de tecido mole visto em enxerto dérmico acelular humano na colocação de implante, levando em consideração o biótipo gengival. Materiais e Métodos: A espessura da mucosa foi mensurada antes e após 4 meses da colocação do implante, enquanto que espessura do epitélio e do cório (tecido conjuntivo) e a inflamação foram avaliadas histologicamente com uma biópsia epitelial. Os resultados foram analisados utilizando teste de Mann-Whitney U e análise de regressão linear. Resultados: Em um total de 47 áreas de implante (22 sem enxerto e 25 recobertas com matriz de aloenxerto) as áreas enxertadas apresentaram um aumento da espessura significativamente maior quando comparadas ao grupo controle. A histologia não foi capaz de demonstrar diferenças entre os grupos. Apesar disso, ao utilizar um índice de variação individual envolvendo o aspecto histológico e a espessura clinica individual, o aumento da espessura nos locais foi estatisticamente significativo (P = 0, 017) comparado com a redução nas áreas controle. Além disso, o aumento máximo de espessura foi registrado em áreas com biótipo fino, enquanto o decréscimo tecidual foi observado nas áreas controle. O índice de inflamação foi semelhante nos dois grupos. Conclusão: Este estudo demonstrou a eficácia de avaliar o aumento na espessura tecidual com enxerto dérmico humano acelular, particularmente em indivíduos com biótipo fino.