Uma Abordagem Abrangente e Conservadora para a Restauração da Abrasão e Erosão. Parte I: Conceitos e Justificativa Clínica para Intervenção Precoce Usando Técnicas Adesivas


Resumo
O desgaste dentário representa uma
patologia frequente com origens multifatoriais.
Mudanças comportamentais,
dieta desequilibrada, várias condições
médicas e medicamentos que induzem
à regurgitação ácida ou influenciam a
composição da saliva e a taxa de fluxo
desencadeiam a erosão dentária. O
bruxismo de vigília e do sono, amplamente
difundidos atualmente com distúrbios
funcionais, induzem à atrição.
Tornou-se cada vez mais importante
diagnosticar os sinais precoces de desgaste
dentário de modo que sejam tomadas
medidas corretivas preventivas
e, se necessário, reparadoras. Essas
desordens têm consequências biológicas,
funcionais e também estéticas.
Após uma avaliação clínica abrangente,
os objetivos do tratamento, como esquema
oclusal e anatômico adequado,
bem como uma linha de sorriso agradável,
são geralmente definidos em
modelos com enceramento de dentes
anteriores, dependendo da gravidade
da perda de tecido. Com base na nova
dimensão vertical de oclusão (DVO), as
combinações de restaurações diretas e
indiretas podem ajudar a restabelecer a
anatomia e a função.
O uso de técnicas adesivas e resinas
compostas tem demonstrado seu potencial,
em particular para o tratamento
do desgaste moderado dos dentes. A
Parte I deste artigo revisa o conhecimento
recente e os conceitos clínicos
que lidam com as várias formas de intervenções
restauradoras precoces e seu
potencial para restringir a destruição do
tecido em curso.