O enxerto de tecido conjuntivo em sela: uma técnica de cirurgia plástica periodontal para obter ganho coronal de tecidos moles em implantes imediatos. Um relato de caso


Com base em estudos recentes sobre
as vantagens dos implantes imediatos
sem retalho na manutenção da arquitetura
dos tecidos moles (especialmente
ao nível das papilas) naquelas
situações em que é necessário extrair
um dente anterior, este relato de caso
descreve um procedimento clínico
destinado a substituir um incisivo
central (21) condenado, mostrando
a reabsorção radicular adjacente a
uma coroa implantossuportada (11),
cuja margem gengival está 2 mm coronal
em relação ao dente condenado
a ser substituído. Após a extração do
dente condenado (21), um implante
imediato sem retalho foi colocado. O
gap implante-osso foi então preenchido
com um substituto ósseo e um
enxerto de tecido conjuntivo do palato
foi colocado em sela estendendo-
se na face vestibular até a linha
mucogengival, selando o alvéolo e
estendendo-se até 6 mm em direção
ao palato, na forma de uma sela. Esse
procedimento permitiu a obtenção
da simetria das margens dos tecidos
moles entre os dois implantes (11 e
21), bem como a preservação das papilas
interimplantares (11).