Erupção passiva alterada (EPA) e erupção secundária ativa (ESA): diagnóstico diferencial e manejo


O processo de erupção dentária consiste em duas fases, ativa e passiva. Embora a distinção seja inequívoca, o mecanismo é ambíguo. Este artigo compara e contrasta a erupção passiva alterada (EPA) e erupção secundária ativa (ESA). Embora essas fases se apresentem com manifestações clínicas similares, cada uma tem sua própria etiologia, fisiogenética e patogênese. Além do mais,o diagnóstico diferencial entre as duas e aquele entre outras condições de espelhamento, é essencial para chegar a um diagnóstico definitivo e estratégias de tratamento corretas, que podem ser semelhantes, mas têm diferentes consequências. Este artigo conclui com dois estudos de caso que mostram o manejo da EPA e da ESA, destacando as semelhanças e diferenças de tratamento que dependem da etiologia específica.