O “pilar híbrido”: um novo formato para restaurações cimentadas sobre implantes nas zonas estéticas


As restaurações cimentadas sobre implantes são amplamente utilizadas por muitos dentistas. O formato do pilar tradicional se assemelha a um dente natural preparado para uma coroa com uma conicidade semelhante e uma linha de acabamento em chanfro. Uma complicação frequente associada às restaurações sobre implantes nas zonas estéticas é a recessão estéticas é a recessão gengival vestibular, com o passar do tempo. A morfologia do pilar, entre vários outros fatores protéticos, pode desempenhar um papel importante na estabilidade da margem gengival em áreas esteticamente sensíveis, mas isso nunca foi completamente analisado. Recentemente, foi proposta uma técnica de prótese chamada técnica de preparo biologicamente orientada (TPBO), que utiliza um preparo de lâmina de faca em pilares naturais e afirmou-se que a aplicação dos conceitos dessa técnica aos pilares de implante poderia melhorar a estabilidade da margem gengival a longo prazo. Atualmente, não há evidências disponíveis para confirmar essa afirmação. Além disso, algumas preocupações podem surgir se este formato específico for implementado em todas as situações clínicas. Com estas considerações em mente, este artigo propõe o formato de “pilar híbrido” (FPH), Um novo formato que inclui uma combinação dos dois tipos de características – em lâmina de faca no lado vestibular e uma linha de acabamento de chanfro no lado lingual. O artigo também apresenta uma lógica para o uso de diferentes projetos de pilar para diferentes situações.