Aplicabilidade da avaliação de risco estético em reabilitações protéticas com cerâmicas gengivais


A previsibilidade estética e a possibilidade de reduzir a necessidade de intervenções cirúrgicas mais agressivas são duas razões fortes para uma crescente aceitação das cerâmicas gengivais nos tratamentos dentários. No entanto, este tipo de reabilitação também apresenta várias restrições estéticas.

O objetivo deste estudo é apresentar um sistema de avaliação que pode funcionar como um guia para o clínico identificar claramente os fatores de risco que influenciam o resultado estético de cerâmicas gengivais e, ao final, classificar estas situações clínicas em alto, médio ou baixo risco estético.

Ao longo de muitos anos de experiência clínica, os autores identificaram diferentes fatores que influenciam a obtenção de resultados estéticos satisfatórios utilizando cerâmicas gengivais: linha do sorriso, extensão da reabilitação protética, área anatômica, transição vertical e horizontal entre a prótese e a gengiva natural, superfície de contato, material da infraestrutura e cor.

Concluindo que, apesar da grande aplicabilidade das cerâmicas gengivais para resolução de casos clínicos envolvendo arquitetura complexa dos tecidos duros e moles, este procedimento não deve ser considerado sem risco estético. Há diferentes fatores que devem ser avaliados ao considerar os resultados estéticos com cerâmicas gengivais. (Int J Esthet Dent – edição em português 2016;1:340-349). (Referência original: Int J Esthet Dent 2014;9:480-489).